DEDICATÓRIA

 

Um Povo só é grande quando tem história.

A Póvoa tem uma bonita história:

a riqueza e a pureza do seu povo.

Este foi o blog que construí para divulgar a tenacidade,

a luta, a inteligência e a honestidade do meu pai.

Graças a Deus ainda está lucidamente activo e vivo!

A sua memória é fantástica.

Amo muito o meu pai e se poeta sou a ele o devo.

José Augusto Simões Faleceu com 94 anos,

nasceu em 20 de Maio de 1922 e faleceu a 17 de Agosto de 2016

Esta é a homenagem e o agradecimento

 que presto a tão grande homem.

Seu filho

Rogério Martins Simões

Domingo, 25 de Setembro de 2011

SIMÕES DA PAMPILHOSA DA SERRA

 

A minha família

SIMÕES

Da

PAMPILHOSA DA SERRA

Autoria: JOSÉ AUGUSTO SIMÕES

Nasceu na Póvoa em 20 de Maio de 1922

(meu querido pai)

 

A família do meu avô paterno, Francisco Simões, era toda da Pampilhosa da Serra.

Meu avô paterno foi viver para a Póvoa por ter contraído matrimónio com Emília de Jesus Antunes.

A minha bisavó paterna era da família Henriques e o meu bisavô paterno da família Simões, eram da Pampilhosa da Serra. Neste levantamento não assumem o n.º 1 por desconhecer os seus nomes. (Para que se entenda melhor as relações de parentesco dos Simões da Pampilhosa mantemos os números de 1 a 7 acrescentando as descendências conhecidas de cada.

As cores servem para melhor se entenderem as relações de parentescos que se estabelecem entre cada descendente deste sete irmãos)

Os nomes a branco indicam a primeira linhagem conhecida e eram 7 irmãos (por exemplo o meu avô)

A cor amarela nos nomes indica que são primos direitos, por serem filhos de irmãos. Por exemplo: o meu pai António Antunes Simões era primo direito do Abílio Augusto Simões este, por sua vez era filho da tia do meu pai e minha tia-avó Albertina Simões.

A cor verde indica que são primos em 2º grau (este é o meu caso, José Augusto Simões, tomando como exemplo o meu primo, José Maria Simões, filho do Virgílio primo direito do meu pai)

A cor vermelha indica que são todos primos em 3º grau (como é disso exemplo o meu filho Rogério Martins Simões)

 

Os pais do meu avô, Francisco Simões, que descendem de uma HENRIQUES casada com um SIMÕES, ambos da Pampilhosa da Serra, tiveram muitos filhos, mas só consigo localizar, no tempo, o nome de 7:

 

NOTA IMPORTANTE: 29-07-2011 15:52:08

O trabalho que segue teve como mentor José Augusto Simões que, graças à sua memória foi possível organizar gerações da Família Simões da Pampilhosa da Serra.

A internet veio facilitar a comunicação e a criação de bases de dados, bem como a integração de registos, de modo a que ficassem ao alcance de quem deles se queira interessar.

Para que eu desse seguimento a este vasto trabalho tive a sorte de ser contatado por uma prima: a Maria Elvira Brás Simões que é neta de URBANO SIMÕES e que está identificado nesta listagem com o n.º 2.6. Urbano Simões é filho de MANUEL AUGUSTO SIMÕES e foi devidamente colocado com o n.º 2.

Para situar no tempo a minha direta ascendência teremos de consultar o n.º 7 FRANCISCO SIMÕES que era irmão do bisavô da minha prima Maria Elvira Brás Simões. (7.1 António Antunes Simões que era o meu avô e primo direito de Urbano Simões e 715 meu pai e autor deste valioso trabalho José Augusto Simões que por sua vez era 2.º primo do pai da Elvira Simões de nome Américo da Silva Simões. Assim a Elvira e eu somos primos em terceiro grau.

Tudo isto para dizer que graças à minha prima foi possível começar a investigar no site http://etombo.com e precisar melhor datas e novas descobertas.

Seguindo o link cedido pela minha prima acede-se ao registo de nascimento do seu avô Abílio Simões e consegue-se pela primeira vez saber os nomes dos pais do seu bisavô Manuel Simões e do meu bisavô Francisco Simões.

Vejamos o que descobriu a minha prima:

http://193.137.201.198/pesquisa//ODdisplay.aspx?DOId=11923&NodeID=_658928

Urbano Simões que nasceu a 4/8/1902, batizado a 31 de Agosto de 1902, filho de Manuel Augusto Simões e Generosa Maria

neto paterno de José Simões e Maria Leitoa. Neto materno de Maria da Trindade.

Face a esta preciosa informação prossegui na consulta dos livros de Batismos tendo confirmado o seguinte:

Os nomes dos pais do meu bisavô e do bisavô da Elvira Simões eram de facto JOSÉ SIMÕES casado com MARIA LEITOA.

Entretanto a investigação prossegue e já descobri que o pai de José Simões foi ANTÓNIO SIMÕES que terá nascido na Vila. Quanto à mãe da minha bisavó terá sido Joaquina Leitoa, natural de Pampilhosa e filha de pai incógnito.

A partir daqui e face aos novos dados poderemos preencher o elo que faltava e em vez de números passarei a colocar letras. Para facilitar vou utilizar as vogais A; E; I; O; U começando pelo fim pois será impossível conseguir mais que duas gerações.

Meco, 29-07-2011 16:43:43

Rogério Martins Simões

 

O – JOÃO SIMÕES, casado com MARIA RITTA (de Moninho)

Nesta data apenas podemos confirmar um filho

O. U. JOSÉ SIMÕES, filho de João Simões e Maria Ritta

 

 

U – JOSÉ SIMÕES, casado com MARIA LEITOA e tiveram 8 filhos

1.     José Simões, que casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci;

2.     Manuel Augusto Simões,  nasceu em 1847 meu tio-avô, que casou nas Moradias, mas viveu sempre nas Relvas Velhas;

3.     Albertina Augusto de Jesus Simões, casada com António Maria Augusto (filho de João António e Maria Justina), minha tia-avó, que viveu na Pampilhosa da Serra;

4.     César Augusto Simões, nasceu em 20/4/1859, meu tio-avô. Casou com Olinda da Paixão (Agradeço ao meu primo Júlio Cortez Fernandes a sua colaboração); (avó materna JOAQUINA LEITOA natural da Vila da Pampilhosa da Serra)

Link: http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658206

5.     Ana Simões, nasceu  a 7/8/1861 minha tia-avó, que morreu solteira a 20/2/1942; http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=3760&FileID=318024

6.     Hermínia AUGUSTO Simões, casada com AUGUSTO ANTÓNIO (filho de João António e Maria Justina) minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. Apelo aos descendentes, meus primos para me deixarem a lista completa.

 

7.     Francisco Simões, Nasceu na Pampilhosa da Serra a 25/7/1853. http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=657929 Meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes.

LINK http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658150

 

8. BERNARDINO SIMÕES, nasceu a 17/12/1849. http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658105

 

Passo, agora, a mencionar alguns dos meus parentes, filhos dos irmãos do meu avô Francisco Simões:

 

  1. JOSÉ Simões, nasceu a 11/10/1846 meu tio-avô, (filho mais velho), http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658054
  2.  casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci. Aguardo que de lá me escrevam a indicar os nomes dos primos direitos do meu pai.

 

 2. Manuel  aUGUSTO Simões, meu tio-avô, que casou nas Moradias com GENEROSA MARIA, mas viveu sempre em Relvas Velhas teve 10 filhos.

 

2.1. Abílio Simões, que casou nos Covões, com Maria Garcia. São os pais do meu primo, José Maria Simões, padrinho do meu filho, mais novo, José Manuel Martins Simões;

2. 2. António Simões que casou em Carvalho;

2.3. José Maria Simões, que casou no Cadavoso;

2.4. Alfredo Simões, que casou na Póvoa com Elvira Antão e faleceu em França. Tiveram 4 filhos:

2.4.1. Zulmira Simões, nasceu na Póvoa em 10 de Agosto de 1922 e casou na Trafaria;

2.4.2 José Maria Simões nasceu na Póvoa em 1924

2.4.3. Fernando Augusto Simões nasceu na Póvoa em 1929

2.4.4. Sérgio Antão Simões nasceu na Póvoa em 1933 e faleceu em 10/2007. Teve 5 filhos:

2.4.4.1. Fernando Olímpio da Silva Simões, vive na Suiça e tem dois filhos: David Simões e Dan Simões. (agradeço ao primo Fernando a contribuição prestada)

2.4.4.2. Luís Filipe da Silva Simões, faleceu em 2001.

2.4.4.3. Paulo Alexandre da Silva Simões

2.4.4.4. Américo Manuel da Silva Simões, faleceu em 2001.

2.4.4.5 Ana Cristina da Silva Simões

 

2.5. ANTONINO SIMÕES, que casou no Sobral;

2.6. URBANO SIMÕES, nasceu a 4/8/1902 no lugar das Moradias que casou em Carvalho com ELVIRA BAPTISTA DA SILVA;

(Recebi do meu primo Luís Manuel Brás Simões os nomes dos descendentes do primo direito do meu pai. Os nossos agradecimentos)

2.6.1. Américo da Silva Simões que casou, também em Carvalho, com Maria Carma Simões, já ambos falecidos, o primeiro em 28/04/1972 e a segunda em 12/10/2004. Tiveram dois filhos:

2.6.1.1. Maria Elvira Brás Simões, nascida em Lisboa a 18/8/1954 na freguesia de Escolas Gerais e tem uma filha:

2.6.1.1.1. Ana Rita Simões Delgado

2.6.1.2. Luís Manuel Brás Simões, nascido em Lisboa a 14/8/1960, na atual freguesia de Santo Estevão e tem duas filhas:

2.6.1.2.1. Marta Sofia de Moura Simões

2.6.1.2.2. Joana Sofia de Moura Simões

2.7. ALBERTO SIMÕES, que casou em Moninho;

2.8. AUGUSTO SIMÕES, que casou na Malhada do Colmeal;

2.9. JAIME SIMÕES, que casou na Lousã

2.10. CONCEIÇÃO SIMÕES, que casou em Carvalho;

(nota: conheci todos, assim como todos os seus filhos).

  

3. Albertina augusta de jesus Simões casada com ANTÓNIO MARIA AUGUSTO. Albertina simões era irmã de meu avô Francisco Simões teve 9 filhos. Quero agradecer às minhas segundas primas a colaboração prestada e graças a elas foi possível identificar os meus primos netos da minha tia-avó:

 

3.1. VIRGÍLIO AUGUSTO SIMÕES;

A minha prima Alice Maria de Jesus Gaspar forneceu-me a lista dos primos direitos do meu pai, os filhos do Virgílio Augusto Simões, que passo a transcrever e são 7 

3.1.1. José Maria Simões nasceu em 1917

teve 3 filhos.

3.1.2 Maria da Ascenção Simões nasceu em 1914

teve 2 filhos.

3.1.3. Virgílio Augusto Simões nasceu 1921

Teve 2 filhos.

3.1.4. António Maria Augusto nasceu em 1919 e teve

2 filhos:

Júlio Augusto Olivença

3.1.5. Maria de Jesus de Nazaré

Teve 2 filhos.

3.1.6. Júlio Augusto Simões nasceu em 1924

Teve 1 filho Júlio Augusto Simões

3.1.7. Albertina de Jesus Simões,

Teve 1 filha, a Alice Maria de Jesus Gaspar.

(nota: as datas de nascimento foram tiradas da minha memória. Faltam as datas das minhas primas)

 

3.2. Abílio Augusto Simões (Assento n.º 24 de 1898 do Livro de registo de batizados da Pampilhosa da Serra) (Colaboração da minha prima Mia Olivença Simões)

Recebi da minha prima Ernestina Olivença Simões os nomes dos 11 irmãos filhos de (Abílio Augusto Simões) para memória  futura.


3.2.1. António Olivença Simões nascido em 1927 (falecido) teve 4 filhos.
3.2.2. Albertino Augusto Simões nascido em 1930 (falecido) teve 2 filhos
3.2.3. Abílio Simões de Olivença nascido em 1931 (faleceu bebé 3 anos)
3.2.4. Maria Suzete Olivença Simões nascida em 1933 (faleceu 9 anos)
3.2.5. Carminda Olivença Simões nascida em 1935, casada com Eduardo Olivença Simões (1933). Eram primos. O Eduardo Olivença Simões era filho de Henrique Maria Augusto Simões (Henrique Leitão) e de Emília Dias.

3.2.5.1 Mia Olivença Simões (Colaboração da minha prima Mia Olivença Simões)
3.2.6. Hermano Olivença Simões nascido em 1938 (tem 2 filhos adoptados)
3.2.7. José Mário Olivença Simões nascido em 1939 (tem 1 filho)
3.2.8. Laurentina Olivença Simões nascida em 1941 (tem 1 filha)

3.2.8.1. Carla Alexandra Simões (tem 2 filhos)

3.2.8.1.1. Martim Olivença Simões Madeira

3.2.8.1.2. Margarida Olivença Simões Madeira de Carvalho
3.2.9.
Ernestina Olivença Simões nascida  em 1942 (tem 1 filha)
3.2.10. Antero Olivença Simões  nascido em 1944 ( tem 2filhos)
3.2.11 Deolinda Olivença Simões nascida em 1946 (tem 2 filhos)

 

3.3. MANUEL AUGUSTO SIMÕES

Solteiro

3.4. Ângelo Augusto Simões; Nasceu a 4/6/1900

Link: http://193.137.201.198/pesquisa//ODdisplay.aspx?DOId=11921&NodeID=_658857

 

Solteiro

3.5. António Simões;

4 filhos

3.6. Aurora Simões;

Solteira

3.7. Belmira Simões;

Teve 10 filhos

3.8. Maria José Simões;

Solteira

3.9. Antónia Simões; (Tonita)

Solteira

 

  4. César augusto Simões, nasceu na Pampilhosa da Serra a 20/4/1859, casado com Olinda Paixão, que por muitos anos foi parteira, uma bondosa senhora conhecida por Olinda do César. O meu tio-avô teve 6 filhos. (Este levantamento familiar teve a colaboração do meu primo Júlio Cortez Fernandes a quem agradeço.)

(avó materna JOAQUINA LEITOA natural da Vila da Pampilhosa da Serra)

Link: http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658206

4.1. Maria Olinda Simões casou com João Fernandes Carloto e tiveram 5 filhos:

4.1.1 António Maria Fernandes que faleceu em 1992 era casado com Maria de Jesus Cortez, ainda viva, (irmã de António Cortez falecido na Argentina, foi casado com Maria dos Anjos Antão, ainda viva e residente em Buenos Aires, natural da Póvoa, filha de Delfina Antunes e Augusto Antão). António Maria Fernandes e Maria Jesus Cortez tiveram dois filhos:

4.1.1.1. Júlio Cortez Fernandes;

4.1.1.1. José Cortez Fernandes;

 

4.1.2 Conceição Simões falecida em 1972;

4.1.3 Maria Piedade Simões falecida em 1976;

4.1.4 Laura Simões

 

4.2. Amaro Simões, nasceu na Pampilhosa no dia 29/03/1899

Link http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11920&FileID=658814

4.3. António Simões, (Certa)

4.4. Maria Simões (Da Misericórdia)

4.5 José Simões, (Zé Coxo)

4.6 Agostinho Simões

 

5. ANA SIMÕES, nasceu  a 7/8/1861 minha tia-avó, que morreu solteira a 20/2/1942; Não deixou descendentes. http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=3760&FileID=318024

 

  

6. Hermínia augusto Simões, minha tia-avó. Casada com Augusto António. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. (A minha prima Mia Olivença Simões e eu Rogério Martins Simões já identificámos 4 filhos).

6.1 JOSÉ MARIA AUGUSTO ANTÓNIO nasceu na Pampilhosa da Serra a 2/11/1882 http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11907&FileID=658253

6.2. Henrique Maria Augusto Simões, nasceu a 28/09/1889 (Henrique Leitão) – assento 88 de 1889 do Livro de registo de batizados da Pampilhosa da Serra (Colaboração da minha prima Mia Olivença Simões)

6.3. Maria Augusta, nasceu a 13/8/1896 – assento 23 de 1896 do Livro de registo de batizados da Pampilhosa da Serra. (Colaboração da minha prima Mia Olivença Simões)

6.4 AGOSTINHO AUGUSTO SIMÕES. Nasceu 30/3/1900

Link http://193.137.201.198/pesquisa//ODdisplay.aspx?DOId=11921&NodeID=_658848

 

7. Francisco Simões, o meu avô, nasceu na Pampilhosa da Serra a 25/7/1853 http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=657929  e que casou na Póvoa com EMÍLIA DE JESUS ANTUNES, (neta materna de BERNARDINO ANTUNES e MARIA DE ALMEIDA) a minha avó paterna, os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai e cinco irmãos nasceram na Pampilhosa da Serra:

 

7.1     ANTÓNIO ANTUNES SIMÕES (meu pai);

ANTÓNIO ANTUNES SIMÕES nasceu em 24/3/1880, (avós maternos: BERNARDINO ANTUNES e MARIA ALMEIDA. casou com MARIA ASCENSÃO RAMOS que nasceu na Póvoa a 6/1/1882 (meus pais), tiveram 5 filhos:

Link: http://193.137.201.198/pesquisa/ODDisplay.aspx?move=previous&DOId=3765&NodeID=_318592

7.1.1. Maria da Nazaré Simões, nascida a 21 de Abril de 1913 e faleceu a 22 de Janeiro de 1975;

7.1.2 José Maria Simões, nasceu em 1915 e faleceu em 1920;

7.1.3 Laura da Conceição Simões nasceu em 1917 e faleceu nesse ano com 7 meses;

7.1.4 Laura da Conceição Simões nasceu a 4 de Dezembro de 1919 e faleceu em 25 de Abril de 1997; (2 Filhos: Almerinda Simões Gaspar e José Augusto Simões Gaspar)

7.1.5 José Augusto Simões, eu, o autor deste trabalho, nasci em 20 de Maio às 5,30 da manhã, mas, por engano, estou registado como tendo nascido em 19 de Maio de 1922. Deixo aqui os nomes dos meus filhos:

      7.1.5.1 Rogério Martins Simões, nascido em 5 de Julho de 1949.

   7.1.5.2 Jaime Augusto Simões, nascido em 17 de Fevereiro de 1952.

    7.1.5.3 José Manuel Martins Simões nascido em 22 de Dezembro de 1955

 

7.2. Aires Antunes Simões;

Aires Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhos. Nasceu na Pampilhosa da Serra a 10/11/1891

7.2.1. António de Oliveira Simões, que nasceu em Monforte, Alto Alentejo, no dia 29 de Fevereiro de 1920 e faleceu no dia 2 de Março de 1982;

7.2.2. Ana de Oliveira Simões nasceu Monforte, Alto Alentejo, em Março de 1922.

 

7.3. Albano Antunes Simões; Nasceu na Pampilhosa da Serra a 10/7/1894

Albano Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhas:

7.3.1 Ilda da Silva Simões nasceu em 1914 em Lisboa;

7.3.2 Alzira da Silva Simões, que nasceu em 1920 em Lisboa.

 

7.4. Maria da Piedade Simões

Maria da Piedade Simões, minha tia, mãe de 5 filhos:

7.4.1 António Maria Simões Dias nasceu a 21 de Maio de 1923 e faleceu em 1966;

7.4.2. Aires Simões Dias nasceu em 1925 e faleceu com 2 anos de idade;

7.4.3. Eduardo Simões Dias nasceu a 5 de Novembro de 1927;

7.4.4. Lurdes Simões Dias nasceu o dia 5 de Novembro de 1929;

7.4.5.  Maria da Solidade Simões Dias nasceu no dia 1 de Janeiro de 1931.

 

7.5. Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);

Maria de Lurdes Simões, minha madrinha e tia, casada com Bernardino de Almeida teve 2 filhos:

7.5.1. Artur Simões de Almeida nasceu em 1929 e faleceu com 20 anos de idade;

7.5.2. Fernanda Simões de Almeida Rodrigues nasceu em 1934 e é mãe da médica Dra. Manuela de Almeida Rodrigues;

 

7.6. Maria da Solidade Simões;

Maria da Solidade Simões, minha tia, (faleceu em França) teve 1 filho:

7.6.1 José Maria Antunes, que nasceu no dia 19 de Março de 1928 e faleceu em França.

(nota: Dou graças por ter recuperado a casa dos Simões da Póvoa. Que bonita que está).

 

7.7. Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;

Maria da Lusitânia Simões, minha tia, mãe de 2 filhas:

7.7.1. Maria Luísa Simões;

7.7.2. Deonilde Simões.

8. BERNARDINO SIMÕES, nasceu a 17/12/1849. http://193.137.201.198/pesquisa/ImageFullScreen.aspx?DOId=11906&FileID=658105

 

Esta é a minha linhagem por parte dos Simões da Pampilhosa da Serra. O meu pai tinha 86 primos direitos, filhos de irmãos.

Espero ter contribuído para reescrever, um pouco, a linha parental dos Simões da Pampilhosa. E àqueles que ainda podem concluir esta minha memória deixa um desafio: completem ou rectifiquem.

Em memória da minha mãe Maria Ascensão Ramos que me ensinou os nomes de todos aqueles que não conheci.

José Augusto Simões

2004-02-23

 

Qualquer contacto poderá ser feito para o e-mail do meu filho Rogério Martins Simões. poemasdeamoredor@gmail.com

 

Nota final: Meu pai José Augusto Simões, para além de ser um extraordinário pai, um homem íntegro e inteligente, tem uma memória extraordinária. Está vivo à data em que escrevo e seria óptimo que lhe dessem notícias dos seus parentes descendentes dos Simões e dos Henriques da Pampilhosa da Serra.

Em tempos, o meu falecido primo Aires Simões chegou à conclusão que o ANTÓNIO SIMÕES, antigo e extraordinário jogador do Benfica, descendia da nossa família.

Encontro uma certa dificuldade em obter os nomes dos nossos familiares quando eles descendem de nossas tias avós, pois perderam por casamento o nome da família, apesar de serem tanto Simões como eu sou.

Existem, depois, aqueles que tiveram de partir da Pampilhosa, por casamento, cujos descendentes desconhecem a sua ascendência da Pampilhosa da Serra, tal como desconhecemos o nome do mais velho Simões que casou com uma senhora da família Henriques da Pampilhosa da Serra. De uma coisa podem ter a certeza - todos aqueles que aqui se vêm retratados: descendem de um Simões e de uma Henriques da Pampilhosa da Serra do século 19 (XIX) ou mesmo do século 18 (XVIII).

Por favor colaborem! Mandem fotos antigas da família, ou histórias interessantes da família, por correio electrónico que terei muito gosto em as colocar neste blog do meu pai http://povoa.blogs.sapo.pt ou no meu: http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt

Saudades

Rogério Martins Simões

Actualizado em 9/2011

 

(o Sapo tem vindo a dificultar a formatação. Deste modo não consegui colocar a cores este documento que remeterei aos meus familiares logo que me escrevam. Obrigado)

 

publicado por poetaromasi às 00:45
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

SIMÕES da Pampilhosa da Serra Actualizado em 27/7/2011

 

  

 José Augusto Simões

O autor deste trabalho

nasceu na Póvoa - Pampilhosa da Serra em 20 de Maio de 1922

 

 

 

Meu Pai

 

António Antunes Simões

Nasceu na Pampilhosa da Serra

 

Abril de 1881

 

 

 

 

 

 

A minha família SIMÕES
Da PAMPILHOSA DA SERRA
Autoria: JOSÉ AUGUSTO SIMÕES
Nasceu na Póvoa em 20 de Maio de 1922
 
A família do meu avô paterno, Francisco Simões, era toda da Pampilhosa da Serra.
Meu avô paterno foi viver para a Póvoa por ter contraído matrimónio com Emília de Jesus Antunes.
A minha bisavó paterna era da família Henriques e o meu bisavô paterno da família Simões, eram da Pampilhosa da Serra. (Agradeço que me informem do nome dos meus bisavós). Neste levantamento não assumem o n.º 1 por desconhecer os seus nomes. (Por aqui já podem reparar que os Simões estão ligados por laços de sangue aos Henriques da Pampilhosa da Serra)
 (Para que se entenda melhor as relações de parentesco dos Simões da Pampilhosa mantemos os números de 1 a 7 acrescentando as descendências conhecidas de cada.
As cores servem para melhor se entenderem as relações de parentescos que se estabelecem entre cada descendente deste sete irmãos)
Os nomes a branco indicam a primeira linhagem conhecida e eram 7 irmãos (por exemplo o meu avô)
A cor amarela nos nomes indica que são primos direitos, por serem filhos de irmãos. Por exemplo: o meu pai António Antunes Simões era primo direito do Abílio Augusto Simões este, por sua vez era filho da tia do meu pai e minha tia-avó Albertina Simões.
A cor verde indica que são primos em 2º grau (este é o meu caso, José Augusto Simões, tomando como exemplo o meu primo, José Maria Simões, filho do Virgílio primo direito do meu pai)
A cor vermelha indica que são todos primos em 3º grau (como é disso exemplo o meu filho Rogério Martins Simões)
 
Os pais do meu avô, Francisco Simões, que descendem de uma HENRIQUES casada com um SIMÕES, ambos da Pampilhosa da Serra, tiveram muitos filhos, mas só consigo localizar, no tempo, o nome de 7:
 
JOSÉ SIMÕES casado com JOAQUINA MARIA (Alcunha Maria "Leitoa") tiveram pelo menos 7 filhos:
 
1.     José Simões,meu tio-avô, (filho mais velho), que casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci;
2.     Manuel Simões,meu tio-avô, que casou nas Moradias, mas viveu sempre nas Relvas Velhas;
3.     Albertina Simões,minha tia-avó, que viveu na Pampilhosa da Serra;
4.     César Augusto Simões,meu tio-avô. Casou com Olinda da Paixão (Agradeço ao meu primo Júlio Cortez Fernandes a sua colaboração);
5.     Ana Simões,minha tia-avó, que morreu solteira;
6.     Hermínia Simões, casada com Augusto António minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. Apelo aos descendentes, meus primos para me deixarem a lista completa.
6.1 José Maria nasceu em 1980
7.     Francisco Simões,meu avô, que casou na Póvoa.
 
Passo, agora, a mencionar alguns dos meus parentes, filhos dos irmãos do meu avô Francisco Simões:
 
1. JOSÉ Simões, meu tio-avô, (filho mais velho), casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci. Aguardo que de lá me escrevam a indicar os nomes dos primos direitos do meu pai.
 
 2. Manuel Simões, meu tio-avô, que casou nas Moradias mas viveu sempre em Relvas Velhas teve 10 filhos.
 
2.1. Abílio Simões, que casou nos Covões, com Maria Garcia. São os pais do meu primo, José Maria Simões, padrinho do meu filho, mais novo, José Manuel Martins Simões;
2. 2. António Simões que casou em Carvalho;
2.3. José Maria Simões, que casou no Cadavoso;
2.4. Alfredo Simões, que casou na Póvoa com Elvira Antão e faleceu em França. Tiveram 4 filhos:
2.4.1. Zulmira Simões, nasceu na Póvoa em 10 de Agosto de 1922 e casou na Trafaria;
2.4.2 José Maria Simões nasceu na Póvoa em 1924
2.4.3. Fernando augusto Simões nasceu na Póvoa em 1929
2.4.4. Sérgio AntãoSimões nasceu na Póvoa em 1933 e faleceu em 10/2007. Teve 5 filhos:
2.4.4.1. Fernando Olímpio da Silva Simões, vive na Suiça e tem dois filhos: David Simões e Dan Simões. (agradeço ao primo Fernando a contribuição prestada)
2.4.4.2. Luís Filipe da Silva Simões, faleceu em 2001.
2.4.4.3. Paulo Alexandre da Silva Simões
2.4.4.4. Américo Manuel da Silva Simões, faleceu em 2001.
2.4.4.5 Ana Cristina da Silva Simões
 
2.5. Antonino Simões, que casou no Sobral;
2.6. Urbano Simões, que casou em Carvalho com Elvira Baptista da Silva;
(Recebi do meu primo Luís Manuel Brás Simões os nomes dos descendentes do primo direito do meu pai. Os nossos agradecimentos)
2.6.1. Américo da Silva Simões que casou,  também em Carvalho, com Maria Carma Simões, já ambos falecidos, o primeiro em 28/04/1972 e a segunda em 12/10/2004. Tiveram dois filhos:
2.6.1.1. Maria Elvira Brás Simões, nascida em Lisboa a 18/8/1954 na freguesia de Escolas Gerais e tem uma filha:
2.6.1.1.1. Ana Rita Simões Delgado
2.6.1.2. Luís Manuel Brás Simões, nascido em Lisboa a 14/8/1960, na atual freguesia de Santo Estevão e tem duas filhas:
2.6.1.2.1. Marta Sofia de Moura Simões
2.6.1.2.2. Joana Sofia de Moura Simões
2.7. Alberto Simões, que casou em Moninho;
2.8. Augusto Simões, que casou na Malhada do Colmeal;
2.9. Jaime Simões, que casou na Lousã
2.10. Conceição Simões, que casou em Carvalho;
(nota: conheci todos, assim como todos os seus filhos).
  
3. Albertina Simões: irmã do meu avô Francisco Simões teve 9 filhos. Quero agradecer às minhas segundas primas a colaboração prestada e graças a elas foi possível identificar os meus primos netos da minha tia-avó:
 
3.1. Virgílio Augusto Simões;
A minha prima Alice Maria de Jesus Gaspar forneceu-me a lista dos primos direitos do meu pai, os filhos do Virgílio Augusto Simões, que passo a transcrever e são 7 
3.1.1. José Maria Simões nasceu em 1917
teve 3 filhos.
3.1.2 Maria da Ascenção Simões nasceu em 1914
teve 2 filhos.
3.1.3.Virgílio Augusto Simões nasceu 1921
Teve 2 filhos.
3.1.4. António Maria Simões teve, nasceu em 1919
2 filhos.
3.1.5. Maria de Jesus de Nazaré
Teve 2 filhos.
3.1.6. Júlio Augusto Simões nasceu em 1924
Teve 1 filho Augusto Simões
3.1.7. Albertina de Jesus Simões,
Teve 1 filha, a Alice Maria de Jesus Gaspar.
(nota: as datas de nascimento foram tiradas da minha memória. Faltam as datas das minhas primas)
 
3.2.Abílio Augusto Simões;
Recebi da minha prima Ernestina Olivença Simões os nomes dos 11 irmãos filhos de (Abílio Augusto Simões) para memória  futura.

3.2.1. António Olivença Simões nascido em 1927 (falecido) teve 4 filhos.
3.2.2. Albertino Augusto Simões nascido em 1930 (falecido) teve 2 filhos
3.2.3.
Abílio Simões de Olivença nascido em 1931 (faleceu bebé 3 anos)
3.2.4.
Maria Suzete Olivença Simões nascida em 1933 (faleceu 9 anos)
3.2.5.
Carminda Olivença Simões nascida em 1935 (tem 1 filha)
3.2.6.
Hermano Olivença Simões nascido em 1938 (tem 2 filhos adoptados)
3.2.7.
José Mário Olivença Simões nascido em 1939 (tem 1 filho)
3.2.8.
Laurentina Olivença Simões nascida em 1941 (tem 1 filha)
3.2.9.
Ernestina Olivença Simões nascida  em 1942 (tem 1 filha)
3.2.10.
Antero Olivença Simões  nascido em 1944 ( tem 2filhos)
3.2.11
Deolinda Olivença Simões nascida em 1946 (tem 2 filhos)
 
3.3. Manuel Augusto Simões;
Solteiro
3.4. Ângelo Augusto Simões;
Solteiro
3.5. António Simões;
4 filhos
3.6. Aurora Simões;
Solteira
3.7. Belmira Simões;
Teve 10 filhos
3.8. Maria José Simões;
Solteira
3.9. Antónia Simões; (Tonita)
Solteira
 
  4. César augusto Simões, casado com Olinda Paixão, que por muitos anos foi parteira, uma bondosa senhora conhecida por Olinda do César. O meu tio-avô teve 6 filhos. (Este levantamento familiar teve a colaboração do meu primo Júlio Cortez Fernandes a quem agradeço.)
4.1. Maria Olinda Simões casou com João Fernandes Carloto e tiveram 5 filhos:
4.1.1 António Maria Fernandes que faleceu em 1992 era casado com Maria de Jesus Cortez, ainda viva, (irmã de António Cortez falecido na Argentina, foi casado com Maria dos Anjos Antão, ainda viva e residente em Buenos Aires, natural da Póvoa, filha de Delfina Antunes e Augusto Antão). António Maria Fernandes e Maria Jesus Cortez tiveram dois filhos:
4.1.1.1. Júlio Cortez Fernandes;
4.1.1.1. José Cortez Fernandes;
 
4.1.2 Conceição Simões falecida em 1972;
4.1.3 Maria Piedade Simões falecida em 1976;
4.1.4 Laura Simões
 
4.2. Amaro Simões,
4.3. António Simões, (Certa)
4.4. Maria Simões (Da Misericórdia)
4.5 José Simões, (Zé Coxo)
4.6 Agostinho Simões
 
5. ANA SIMÕES, Não deixou descendentes.
  
6. Hermínia Simões, minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. Apelo aos descendentes, meus primos para me deixarem a lista completa.
 
7. Francisco Simões, o meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes, a minha avó paterna os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai e cinco irmãos nasceram na Pampilhosa da Serra:
 
7.1        António Antunes Simões (meu pai);
António Antunes Simões nasceu em Abril de 1881, casou com Maria Ascenção Ramos (meus pais), tiveram 5 filhos:
7.1.1. Maria da Nazaré Simões, nascida a 21 de Abril de 1913 e faleceu a 22 de Janeiro de 1975;
7.1.2 José Maria Simões, nasceu em 1915 e faleceu em 1920;
7.1.3 Laura da Conceição Simões nasceu em 1917 e faleceu nesse ano com 7 meses;
7.1.4 Laura da Conceição Simões nasceu a 4 de Dezembro de 1919 e faleceu em 25 de Abril de 1997; (2 Filhos: Almerinda Simões Gaspar e José Augusto Simões Gaspar)
7.1.5 José Augusto Simões, eu, o autor deste trabalho, nasci em 20 de Maio às 5,30 da manhã, mas, por engano, estou registado como tendo nascido em 19 de Maio de 1922. Deixo aqui os nomes dos meus filhos:
      7.1.5.1 Rogério Martins Simões, nascido em 5 de Julho de 1949. Tem dois filhos
       7.1.5.1.1. Rogério alexandre Cunha Simões
        7.1.5.1.2. Ana Lúcia Cunha Simões
   7.1.5.2 Jaime Augusto Simões, nascido em 17 de Janeiro de 1952.
    7.1.5.3 José Manuel Martins Simões nascido em 22 de Dezembro de 1955
 
7.2. Aires Antunes Simões;
Aires Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhos:
7.2.1. António de Oliveira Simões, que nasceu em Monforte, Alto Alentejo, no dia 29 de Fevereiro de 1920 e faleceu no dia 2 de Março de 1982;
7.2.2. Ana de Oliveira Simões nasceu Monforte, Alto Alentejo, em Março de 1922.
 
7.3. Albano Antunes Simões;
Albano Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhas:
7.3.1 Ilda da Silva Simões nasceu em 1914 em Lisboa;
7.3.2 Alzira da Silva Simões, que nasceu em 1920 em Lisboa.
 
7.4. Maria da Piedade Simões
Maria da Piedade Simões, minha tia, mãe de 5 filhos:
7.4.1 António Maria Simões Dias nasceu a 21 de Maio de 1923 e faleceu em 1966;
7.4.2. Aires Simões Dias nasceu em 1925 e faleceu com 2 anos de idade;
7.4.3. Eduardo Simões Dias nasceu a 5 de Novembro de 1927;
7.4.4. Lurdes Simões Dias nasceu o dia 5 de Novembro de 1929;
7.4.5.  Maria da Solidade Simões Dias nasceu no dia 1 de Janeiro de 1931.
 
7.5. Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);
Maria de Lurdes Simões, minha madrinha e tia, teve 2 filhos:
7.5.1. Artur Simões de Almeida nasceu em 1929 e faleceu com 20 anos de idade;
7.5.2. Fernanda Simões de Almeida Rodrigues nasceu em 1934 e é mãe da médica Dra. Manuela de Almeida Rodrigues;
7.6. Maria da Solidade Simões;
Maria da Solidade Simões, minha tia, (faleceu em França) teve 1 filho:
7.6.1 José Maria Antunes, que nasceu no dia 19 de Março de 1928 e faleceu em França.
(nota: Dou graças por ter recuperado a casa dos Simões da Póvoa. Que bonita que está).
 
7.7. Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;
Maria da Lusitânia Simões, minha tia, mãe de 2 filhas:
7.7.1. Maria Luísa Simões;
7.7.2. Deonilde Simões.
 
Esta é a minha linhagem por parte dos Simões da Pampilhosa da Serra. O meu pai tinha 86 primos direitos, filhos de irmãos.
Espero ter contribuído para reescrever, um pouco, a linha parental dos Simões da Pampilhosa. E àqueles que ainda podem concluir esta minha memória deixa um desafio: completem ou rectifiquem.
Em memória da minha mãe Maria Ascenção Ramos que me ensinou os nomes de todos aqueles que não conheci.
José Augusto Simões
2004-02-23
 
Qualquer contacto poderá ser feito para o e-mail do meu filho Rogério Martins Simões. poemasdeamoredor@gmail.com
 
Nota final: Meu pai José Augusto Simões, para além de ser um extraordinário pai, um homem íntegro e inteligente, tem uma memória extraordinária. Está vivo à data em que escrevo e seria óptimo que lhe dessem notícias dos seus parentes descendentes dos Simões e dos Henriques da Pampilhosa da Serra.
Em tempos, o meu falecido primo Aires Simões chegou à conclusão que o ANTÓNIO SIMÕES, antigo e extraordinário jogador do Benfica, descendia da nossa família.
Encontro uma certa dificuldade em obter os nomes dos nossos familiares quando eles descendem de nossas tias avós, pois perderam por casamento o nome da família, apesar de serem tanto Simões como eu sou.
Existem, depois, aqueles que tiveram de partir da Pampilhosa, por casamento, cujos descendentes desconhecem a sua ascendência da Pampilhosa da Serra, tal como desconhecemos o nome do mais velho Simões que casou com uma senhora da família Henriques da Pampilhosa da Serra. De uma coisa podem ter a certeza - todos aqueles que aqui se vêm retratados: descendem de um Simões e de uma Henriques da Pampilhosa da Serra do século 19 (XIX) ou mesmo do século 18 (XVIII).
Por favor colaborem! Mandem fotos antigas da família, ou histórias interessantes da família, por e-mail que terei muito gosto em as colocar neste blog do meu pai ou no meu: http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt
Saudades
Rogério Martins Simões
Actualizado em 24/12/2011
 
publicado por poetaromasi às 21:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Junho de 2010

Sonhos loucos...

 

(José Augusto Simões, Rogério Martins Simões, e Isabel Martins Assunção)

 

SONHOS LOUCOS...

José Augusto Simões

 

Quando eu saí da escola

Comecei a ficar obcecado;

Não queria ficar na aldeia

Só para ser pastor de gado.

 

A agricultura não dava,

Era o que na aldeia existia.

Para procurar outra sorte

Só na sede de freguesia.

 

Um dia, de manhã cedo,

De muito frio, e nevoeiro,

Segui por reles caminhos,

Fui parar a Pessegueiro.

 

Ao chegar a Pessegueiro

Estava lá tudo vazio,

Não parou aí a sorte,

Caminhou para o Machio.

 

Quando cheguei ao Machio,

Procurei-a numa eira,

Ela, aí, não quis parar:

Voou para a Amoreira.

 

Caminhei para a Amoreira

Só encontrei uma rosa,

A sorte não ficou por lá:

Seguiu para a Pampilhosa.

 

 

Não gostou da Pampilhosa

Mas, deixou lá um letreiro:

-“Não vi ninguém na rua,

Caminhei para Janeiro.”

 

Fui procurá-la a Janeiro:

Lindas casas muito belas.

Era quase Fevereiro…

Quando cheguei a Dornelas.

 

Quando entrei em Dornelas

Logo me perdi num quelho

Aí recebi um recado:

-Fui para Unhais-o-Velho.

 

Segui p´ra Unhais-o-Velho,

Procurei-a num passal,

Nem sequer por ali passou,

Foi direitinha ao Vidual.

 

Segui para o Vidual

Uma senhora disse então:

- Menino não me leve a mal;

Foi para a Vila de Feijão.

 

Conhecendo eu bem Feijão,

Gente hospitaleira e gentil,

Todos conheciam a sorte,

Era natural do Cabril.

 

Depressa cheguei ao Cabril,

Estava à porta sentada,

Logo se deitou na cama

De correr estava cansada.

 

Eu corri todo o concelho.

No Cabril perdi a esperança.

Quando olhei para o meu corpo

Era uma pequena criança.

 

Uma senhora me disse:

- Menino não corras à toa!

-Se queres procurar a sorte

Tens de ir para Lisboa.

 

Era uma senhora de idade,

Aceitei o seu conselho,

Ainda estou a ver a velhinha,

Em frente do meu espelho.

 

Nunca encontrei a sorte,

Quando eu precisava dela,

Agora que estou velhinho,

Já posso passar sem ela.

 

Lisboa, 5 de Junho de 2010

publicado por poetaromasi às 00:34
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

A Montanha recitada por José Augusto Simões

publicado por poetaromasi às 17:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 9 de Janeiro de 2010

Maria de Lurdes Simões e Bernardino de Almeida

 

Maria de Lurdes Simões e Bernardino de Almeida

 

 

 

Maria de Lurdes Simões e Bernardino de Almeida. A madrinha e tia do meu pai:
 
 
“A pedido da minha avó (Maria Fernanda Simões de Almeida Rodrigues) envio a fotografia dos meus bisavós,
Maria de Lurdes Simões e Bernardino de Almeida.
Cumprimentos
Inês Victor”
 
Desde menino que oiço contar ao meu pai, José Augusto Simões, histórias de vida, exemplos de solidariedade e de amor que caíram em desuso.
Como já aqui foi escrito pela pena do meu pai e pela minha, meu pai ficou órfão de pai e mãe com 14 anos de idade.
Foi já em Lisboa que teve conhecimento da morte e do funeral de sua mãe, e minha avó, a Ti- Mariquitas, Maria da Ascenção Ramos.
Meu pai, após a morte do meu avô António Simões, veio viver para Lisboa, para a casa da minha tia-avó, sua tia e madrinha, e irmã do meu avô, Maria de Lurdes Simões, casada com Bernardino de Almeida, que residiam no Pátio do Carrasco 19 – 2º Direito. Foi o seu tio Bernardino quem arranjou emprego para o meu pai.
Sempre escutei palavras de muito apreço, de muita ternura, de muito amor quando se referia à sua madrinha, a tia Lurdes Simões. Recordo-me de visitar a casa no Pátio do Carrasco, era muito menino e sempre fui bem recebido.
Mas há um facto que nunca esqueço: meu pai sempre me disse que a sua madrinha era muito bonita. Hoje tenho o prazer de vos dar a conhecer a minha tia-avó, MARIA DE LURDES SIMÕES e o meu tio-avô BERNARDINO DE ALMEIDA.
Quero agradecer à minha prima, e prima direita do meu pai, Maria Fernanda Simões de Almeida Rodrigues, ter mandado a fotografia da madrinha do meu pai.
Vejam como era bonita!
Prima, bem-haja por este momento de partilha e de felicidade para o meu pai com os seus lúcidos 87 anos.
Beijos,
Rogério Martins Simões 
 
 
Francisco Simões, o meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes, a minha avó paterna os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai como mais 5 tios nasceram na Pampilhosa da Serra:
1.     António Antunes Simões (meu pai);
2.     Aires Augusto Simões;
3.     Albano Antunes Simões;
4.     Maria da Piedade Simões
5.     Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);
6.     Maria da Solidade Simões;
7.     Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;
Autor, José Augusto Simões

 

 

publicado por poetaromasi às 20:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

Minha mãe mandou-me à Vila...

 

PAMPILHOSA DA SERRA

 

Foto da autoria de Padre Pedro

 

 

 

 
Minha mãe mandou-me à Vila
José Augusto Simões
 
Minha mãe mandou-me à Vila,
Enganei-me no caminho,
Quando dei pelo engano,
Já estava em Moninho.
 
Quando eu ia a chegar
Havia festa e arraial.
Segui por outros caminhos.
Fiz encontro no Sobral.
 
Quando estava no Sobral,
Tudo mudou de feições,
Segui por um reles caminho,
Fiz paragem nos Covões.
 
Estando eu nos Covões,
Logo mudei as ideias,
Atravessei o rio Unhais,
Assim cheguei às Aldeias.
 
À saída das Aldeias
Tomei outra direcção:
Caminhei mais uma hora,
Estava no Vale Serrão
 
Saindo do Vale Serrão
Vi que não tinha sapatos.
Caminhei mais dois quilómetros,
Assim cheguei aos Lobatos.
 
Quando saí dos Lobatos,
Avistei uma serra airosa,
Desci o Cabeço da Urra,
Estava na Pampilhosa.
 
Ao chegar à Pampilhosa,
Armado em papo-seco…
Em vez de seguir prà Póvoa
Fui parar a Pescanseco.
 
Pescanseco terra amiga,
Aí acabou a caminhada:
Comecei a andar à pressa,
A noite estava chegada.
 
Acordei, passou o sonho,
Estava tudo bem certinho:
Não fui a terra nenhuma!
Nem sequer fui a Moninho.
 
Lisboa, 16 de Julho de 2009

 

publicado por poetaromasi às 18:21
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008

BEIRA SERRA

 

 20 de Maio de 2008

 

Pai parabéns hoje é o dia do seu aniversário!

Como vê fiquei acordado até tarde para passar a limpo e publicar o seu último poema neste dia em que faz 86 anos de idade.

 

Todo feliz, aí, na sua Póvoa, na sua Pampilhosa da Serra! Com que então veados e gazelas?

 

Feliz aniversário meu querido pai e que a vossa presença, meus pais, continue a encantar as nossas vidas.

O seu filho mais velho

Rogério Martins Simões

 

 

 

 

 

 

BEIRA SERRA

 

José Augusto Simões

 

Conheço a Beira Serra

É bonita não é feia

Montanha, montes e vales

Muita terra e pouca areia.

 

Os matos dos seus terrenos

Cheios de encanto e beleza

Todos ali foram criados

Pelo poder da natureza

 

Falando da sua existência

Não é uma palavra em vã

Toda a Beira Serra começa

Na linda vila da Lousã

 

Chegando ao Vilarinho

Começa a subir e não erra

Três Concelhos se juntam

Góis, Arganil e Pampilhosa da Serra.

 

Três serras bem conhecidas

Fazem a Beira mais bela

Serra da Lousã e do Açor

E a linda serra da Amarela

 

Havia tantas aldeias

Dispersas por todas as serras

Todas tinham muita gente

Cultivando as suas terras

 

Era tudo gente pobre

Todos mudaram de ideias

Pensaram mudar de vida

Abandonaram as aldeias

 

Era gente de trabalho

Conseguiram uma vida boa

Emigraram para o estrangeiro

A maior parte para Lisboa

 

As aldeias abandonadas

Ruas estreitas e vielas

São agora habitadas

Por veados e gazelas

 

Pudera voltar a subir

Do Vilarinho ao Trevim

Vendo esses frescos matos

E a flor do alecrim

 

Pudesse descer outros caminhos

Com alegria e saudade

Iria fazer a última visita

À Senhora da Piedade.

 

Maio de 2008

 

 

publicado por poetaromasi às 23:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

Estive um dia no céu

(Óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

ESTIVE UM DIA NO CÉU

(José Augusto Simões)

 

Saí um dia de casa

Encontrei-me num jardim

Olhei para todos os lados

O jardim não tinha fim

 

Era um jardim tão bonito

Viam-se lá tantas flores

Bancos por todo o lado

Feitos de diversas cores

 

Jardim assim tão lindo

Não tinha visto igual

Uma voz me respondeu

- É o jardim Celestial

 

Sentei-me num banco

Olhei se vinha alguém

Era tudo tão branco

Não aparecia ninguém

 

Deixei-me estar mais tempo

Para ver se via alguém

Logo apareceu no jardim

Meu pai e a minha mãe

 

Os dois me abraçaram

E começaram a chorar

- Eras um filho tão querido

Partimos sem te criar…

 

Duas senhoras chegaram

Mostrando um certo cansaço

Eram as minhas duas irmãs

Para me darem um abraço

 

Duas meninas corriam

Cansadas, deram um ai

As duas me beijaram

- Bom dia querido pai

 

Apareceram dois meninos

Sorrindo com satisfação

Assim os dois me saudaram:

- Bom dia querido irmão

 

Depois da família junta

Tudo se pôs a cantar

Até os anjos do céu

Desceram para tocar

 

Uma coisa tão bonita

Há muito tempo não via

Só em Viana do Castelo

Na Senhora da Agonia

 

Assim acabou a festa

Toda a gente desapareceu

Era tudo gente nova

O mais velho era eu

 

Acordei! Ficou o sonho

Todo cheio de alegria

Afinal eu não vi nada

Era tudo fantasia…

 

Lisboa, 2 de Fevereiro de 2007

 

sinto-me: poema de 2007
publicado por poetaromasi às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

SIMÕES DESCENDENTES DA PAMPILHOSA DA SERRA desde o século 19

 

Meu pai

António Antunes Simões

 

(Nasceu na Pampilhosa da Serra - Aldeia Velha)

 

 

 

Sou José Augusto Simões e passo a esclarecer e preciso de ajuda para concluir os nomes dos que aqui faltam

 

A Foto é do meu pai António Antunes Simões

 

Para situar no tempo, o meu filho Rogério Martins Simões passou a cor castanha os primos direitos do meu pai.

 

Os irmãos do meu avô Francisco Simões estão a verde. Se alguém souber os nomes dos pais dos meus avós por favor diga. Uma coisa é certa – eram descendentes dos Henriques e dos Simões.

Só lembrar que se trata da geração nascida nos finais do século 19 princípio do século XX e eu que nasci em 1922 não estou neste apontamento, pois, pertenço à geração seguinte.

Meu pai, o da foto, tinha perto de 70 primos direitos.

 

1.     José Simões, meu tio-avô, (filho mais velho), que casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci;

 

 

Manuel Simões, meu tio-avô, que casou nas Moradias mas viveu sempre em Relvas Velhas teve 10 filhos:

1.     Abílio Simões, que casou nos Covões, com Maria Garcia. São os pais do meu primo, José Maria Simões, padrinho do meu filho, mais novo, José Manuel Martins Simões;

2.     António Simões que casou em Carvalho;

3.     José Maria Simões, que casou no Cadavoso;

4.     Alfredo Simões, que casou na Póvoa com Elvira Antão;

5.     Antonino Simões, que casou no Sobral;

6.     Urbano Simões, que casou em Carvalho;

7.     Alberto Simões, que casou em Moninho;

8.     Augusto Simões, que casou na Malhada do Colmeal;

9.     Jaime Simões, que casou na Lousã

10. Conceição Simões, que casou em Carvalho;

(nota: conheci todos, assim como todos os seus filhos).

 

Albertina Simões, teve 10 filhos

1.     Virgílio Augusto Simões;

2.     António Simões;

3.     Henrique Simões;

4.     Luís Simões;

5.     Ângelo Simões;

6.     Aurora Simões;

7.     Belmira Simões;

8.     Albertina Simões;

9.     Tonita Simões.

10.  Abílio Augusto Simões

 

 

César Simões, meu tio-avô. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos;

 

Ana Simões, minha tia-avó, que morreu solteira;

 

 

Hermínia Simões, minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos

 

 

 

Francisco Simões, o meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes, a minha avó paterna os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai como mais 5 tios nasceram na Pampilhosa da Serra:

1.     António Antunes Simões (meu pai);

2.     Aires Augusto Simões;

3.     Albano Antunes Simões;

4.     Maria da Piedade Simões

5.     Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);

6.     Maria da Solidade Simões;

7.     Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;

 

 

(qualquer dúvida consultar a minha família SIMÕES.

 

 

Um abraço,

 

José Augusto Simões nascido em 1922 no dia 20 de Maio.


 

 

 

Família Simões

(Rogério Martins Simões)

 

Como já se devem ter apercebido, tenho uma enorme admiração por todos os ramos da minha família paterna. Sejam dos Henriques, dos Simões, dos Ramos ou dos Antunes.

Graças ao meu pai, José Augusto Simões, que nasceu no dia 20 de Maio de 1922, foi possível reconstituir parte dos nossos antepassados até à sua geração.

Nutro um enorme carinho e admiração pela família Simões, sem desprimor para as restantes. Dado que ela é mais numerosa gostaria de lançar um repto – VAMOS PREENCHER OS ESPAÇOS QUE ESTÃO VAZIOS DA FAMÍLIA SIMÕES ATÉ À ACTUALIDADE. Seria bom aproveitar a capacidade de memória do meu pai para ajudar nas datas e no resto.

Aceita-se a colaboração de todos e sugestões, nomeadamente um enorme encontro dos Simões descendentes da Pampilhosa - na PAMPILHOSA DA SERRA.

 

Este blog está aberto às vossas ideias.

Aproveito para anunciar que meu pai, José Augusto Simões, homem bom, poeta e detentor de uma memória extraordinária, estará na Pampilhosa da Serra no seu aniversário, no dia em que faz 86 anos de idade, o dia 20 de Maio de 2008.

 

Ontem, meu pai dizia-me: - Rogério, pensava não mais voltar à Pampilhosa e à Póvoa, esta irá ser a última vez que lá estarei.

Meu pai vai estar, se Deus o permitir, no Tribunal da Pampilhosa por razão de partilhas. Quem quiser saber o que ele sabe das vossas famílias é só perguntarem. Digam as vossas origens que ele vos dirá algo das vossas famílias. Não acreditam? Experimentem!

SAUDADES
ROGÉRIO MARTINS SIMÔES

 

NOTA FINAL

 

Meu pai entregou-me hoje um cartão em bom estado de conservação que tem inscrito “ JUVENTUDES MONARCHICAS CONSERVADORAS – NÚCLEO REGIONAL DE LISBOA. Estranhamente fiquei a saber que o meu avô, António Antunes Simões, era o sócio 12711 daquela organização. Desconheço a razão que o levou a inscrever-se. Talvez por ser um exímio tocador de guitarra portuguesa a tal ponto que, segundo meu pai, terá sido um dos dois mestres do famoso Armandinho.

Vou estudar este assunto e logo que possa colocarei post no meu blog.

Cumprimentos para todos,

Rogério Martins Simões



publicado por poetaromasi às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Março de 2008

José Augusto Simões

PAI.jpg

 (José Augusto Simões)

MEU PAI

 

José Augusto Simões, nasceu em 20 de Maio de 1922, no lugar da Póvoa - Pampilhosa da Serra.

Filho de Maria da Ascenção Ramos, (1882 - 1938) e de António Antunes Simões (1881 - 1934).

Descende das famílias Simões e Henriques da Pampilhosa da Serra; dos Antunes e Ramos da Póvoa e dos Almeidas de Moninho. Teve duas irmãs, Maria da Nazaré Simões, empregada nos Hospitais Civis de Lisboa - Hospital de Arroios e Laura da Conceição Simões.

Foi um aluno brilhante na escola da Pampilhosa da Serra onde ganhou diversos prémios escolares: o 1º prémio escolar de 60$00, na passagem da 2ª para a 3ª classe, tendo obtido a nota final de 18 valores e o 1º prémio escolar, também, os 60$00, na passagem da 3ª para a 4ª classe, tendo obtido como nota final 19 valores.

Ingressou na 1ª classe em 1930 que concluiu em 1931. Concluiu a 2º grupo em 1932; a 2ª classe em 1933; a 3ª classe em 1934 e terminou os seus estudos primários, a 4ª classe, em 1935 com a nota final “brilhante com distinção”.

Da 1ª à 3ªclasse foi ensinado pelo Professor Anselmo Ferreira e na 4ª classe pelo Professor Gil.

Apenas pôde concluir a 4ª Classe, porque as vicissitudes da vida o impediram de prosseguir os seus estudos.

O seu maior trauma da infância foi a morte prematura do seu pai e a doença e morte de sua mãe, que, aliado à falta de recursos, tão normal nessa época, o impediu de realizar o seu sonho: “concluir um curso superior”.

Ficou órfão de pai aos 12 anos e de mãe aos 15 anos de idade, tendo migrado para Lisboa onde trabalhou, desde muito cedo, como caixeiro de mercearia até à data em que foi incorporado no serviço militar.

Trabalhou, depois, como “caixeiro-viajante” tendo conhecido todo o país ao serviço da firma “Francisco Simões” que comercializava sacos, batatas e outros legumes.

Em 21 de Abril de 1948, fundou, com seu tio Jaime Rodrigues, natural do Pessegueiro, uma pequena empresa de sacos usados, a firma Jaime Rodrigues & Simões, Lda., que foi a base de sustentação de toda a família, bem como de muitos parentes, amigos e conhecidos.

A sua “sacaria”, na Calçada do Forte em Lisboa, foi sempre ponto de encontro e de reunião entre os conterrâneos e amigos.

Esteve na reorganização da Comissão de Melhoramentos da Póvoa onde foi 1º Secretário nos anos de 1949 a 1950.

Casou com Isabel Martins de Assunção, natural da Malhada, Colmeal, prima direita do actual Presidente do Tribunal Constitucional, Luís Manuel Nunes de Almeida.

Do seu casamento nasceram 5 filhos. As duas filhas faleceram precocemente e estão vivos os restantes filhos do sexo masculino.

Acolheu na sua pequena casa de Lisboa, na Rua do Mirante, parentes ou simplesmente conhecidos. Recordo-me de meus pais cederem a sua cama aos familiares e de terem dormido, em cima de sacos, no seu estabelecimento comercial.

É um homem com um “H” muito grande, dotado de uma memória prodigiosa colocando a honra e a honestidade no cimo do seu pedestal.

Foi brilhante na matemática e em outras ciências tais como a Geografia, as Ciências Naturais, a História e a Aritmética. A sua letra era muito bonita e por isso era o “miúdo” que escrevia e lia as cartas aos seus conterrâneos.

Mas a sua memória não é passiva.

José Augusto Simões sabe de cor as datas de nascimento e da morte de quase todos os seus familiares, amigos e conhecidos, bem como, as datas dos factos mais importantes da sua e da nossa vida  passada e actual. Sabe de cor os nomes de todos os ossos do corpo humano, rios e estradas de Portugal. Desculpem, meu pai é simplesmente brilhante.

Conseguiu passar para o papel, reconstituindo, a árvore genealógica de quase toda a sua ascendência: Simões, Ramos e Antunes (esta desde 1822).

Parte desta reconstituição familiar foi-lhe transmitida, oralmente, por sua mãe Maria Ramos (ti Mariquitas da Póvoa) e conservada na memória do meu pai até à data.

Foi sempre um grande comunicador. Lembro-me de o ouvir contar histórias de fantasiar e de encantar que tanto preencheu o imaginário da minha infância.

Escreveu poesia, pois li alguns dos seus poemas, que expressam bem as amarguras da vida, as coisas boas e simples e o seu amor pelo próximo.

Para que perdurem as lembranças da sua brilhante memória, que podem contribuir para escrever ou rescrever a vida difícil de um povo implantado na Beira Serra, vou trazer alguns artigos que escreveu e continuarei a incentivar para que escreva, pois neles se encontram alusões, menções a pessoas e factos, que fazem a história de uma aldeia a Póvoa da Pampilhosa da Serra e das suas gentes.

Homenagem do seu filho

Rogério Simões

2004 

publicado por poetaromasi às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Todos os poemas escritos e publicados neste blog

da autoria de Rogério Martins Simões,

ou sob pseudónimo, ROMASI,

estão devidamente protegidos pelos direitos de autor.

(Registados no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)






Memórias e poesia de um Beirão

nascido em Maio de 1922.

.Poesia e muita sabedoria de um poeta serrano com 91 anos



Obrigado pela visita ao blog do meu pai,

homem notável, impedido de estudar

por ter ficado órfão de pai e mãe aos 14 anos.

A sua memória é notável

sabe de tudo

é uma casa cheia!

Viva a poesia.

e se a vida não nos conhecer

porque nos esqueceu,

lembremos à vida que existimos e vivemos.

Obriga meu querido pai

por me ter ensinado

a escrever poesia

Seu filho, vosso filho

Rogério Martins Simões



.posts recentes

. SIMÕES DA PAMPILHOSA DA S...

. SIMÕES da Pampilhosa da S...

. Sonhos loucos...

. A Montanha recitada por J...

. Maria de Lurdes Simões e ...

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. BEIRA SERRA

. Estive um dia no céu

. SIMÕES DESCENDENTES DA PA...

. José Augusto Simões

. PÓVOA por Rogério Martins...

. Na Póvoa 2004

.arquivos

.pesquisar