DEDICATÓRIA

 

Um Povo só é grande quando tem história.

A Póvoa tem uma bonita história:

a riqueza e a pureza do seu povo.

Este foi o blog que construí para divulgar a tenacidade,

a luta, a inteligência e a honestidade do meu pai.

Graças a Deus ainda está lucidamente activo e vivo!

A sua memória é fantástica.

Amo muito o meu pai e se poeta sou a ele o devo.

José Augusto Simões Faleceu com 94 anos,

nasceu em 20 de Maio de 1922 e faleceu a 17 de Agosto de 2016

Esta é a homenagem e o agradecimento

 que presto a tão grande homem.

Seu filho

Rogério Martins Simões

Terça-feira, 4 de Abril de 2017

SIGA A FESTA (PAMPILHOSA DA SERRA)

##########.jpg

 

SIGA A FESTA

Rogério Martins Simões

 

Continuo a pensar que a promoção deste quase abandono das terras do interior – da Beira Serra – foi, e é um grave erro político.

Quem conhece a Pampilhosa da Serra sabe que a maior parte da população é constituída por idosos. Quem lá vive, e conheceu o "antigamente", repara, apesar de algumas melhorias levadas a termo pelas Comissões de Melhoramentos e pela Câmara Municipal, que a juventude tende a "fugir", como sempre…

 

O desenvolvimento de um turismo "de ar puro", de "pura água cristalina", irá ter no futuro um enorme incremento e a Beira Serra tem todas as condições para ser um dos locais preferidos.

Mas um desenvolvimento não se pode fazer sem ter em conta a preservação dos sinais, dos locais, dos vestígios culturais de um povo. Perdoem-me: fico muito triste ao ver casas medievais arrasadas sem intervenção arqueológica. Salvaguardando a existência de carta arqueológica do concelho, que desconheço; considerando as notícias e os documentos históricos que nos dão conta daqueles locais terem sido povoados por povos primitivos, uma questão paira na minha cabeça: onde para o espólio arqueológico do Concelho? Talvez o defeito seja meu – tenho participado desde 1961 em trabalhos arqueológicos nomesadamente medievais e olho os sítios de uma maneira diferente.

Talvez me preocupe demasiado… com estes assuntos. Porém, tomem a devida nota: daqui a alguns séculos haverá pelas serras grupos de arqueólogos a procurarem o que indevidamente destruíram, deixaram destruir e irão destruir.

Não se culpe o povo! O povo que não dá valor a cacos velhos partidos.

- Ainda que fosse algum tesouro!?

O maior tesouro da Pampilhosa está no seu povo e nos sinais da sua presença – na sua riqueza cultural que se vai definitivamente arrasando.

Deixando estas considerações o Concelho da Pampilhosa da Serra carece de mais infraestruturas, de estradas sem curvas a ligar às grandes redes viárias. O Concelho na Pampilhosa da Serra, a Beira Serra, apesar de ser o pulmão de Portugal, e fonte quase inesgotável da água que abastece Lisboa e não só, não foi, nem é compensado, bem pelo contrário: é simplesmente votado ao abandono. Mais uma vez lhes digo: virá o dia em que a água terá mais valor que o então extinto petróleo e o ar será disputado pelos povos.

O Lar da Santa Casa da Misericórdia da Pampilhosa da Serra e a fixação de idosos às suas velhas aldeias é um exemplo a seguir e a fomentar. Existe acompanhamento e assistência no domicílio a idosos que, assim, continuam ligados às suas aldeias. Seguindo esta ideia, sabendo e conhecendo que muitas aldeias já estão abandonadas definitivamente, penso que poderiam ser apoiadas, essas aldeias e esses lugares, criando condições de vida para lá morarem os idosos que quisessem em vez de os colocarem em "silos". Falo concretamente em habitações - casas individuais ou coletivas com todas as condições. Falo em disporem de equipamentos de lazer, falo em investimento e em criação de postos de trabalho.

Dou mais uma vez o exemplo da aldeia onde meu pai nasceu, a PÓVOA. Os idosos que por lá vivem são bem mais felizes que os colocados em lares da terceira idade: Mulheres e homens jogam às cartas na casa do povo, semeiam e cultivam pequenas hortas próximas de casa e, agora que finalmente o Governo "acordou" para a injusta perseguição aos produtos tradicionais, talvez possam voltar a criar alguns animais para consumo caseiro, como sempre o povo criou.

Talvez volte a "petiscar" uma canja de galinha ou uns torresmos sem serem de "aviário".

Esta é a mensagem que vos quero deixar, num tempo de festas de verão, num tempo de aldeias e casas cheias. Pena que seja curto e novamente o povo trilhe os caminhos da diáspora.

Mas os tempos são de "mudança"! Siga a festa!

Lisboa, 5 de Agosto de 2008

Rogério Martins Simões

 

publicado por poetaromasi às 18:37
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 12 de Março de 2017

A ESCOLA NOS ANOS 30 DO SÉCULO XX (Pampilhosa da Serra)

IMG_0759.JPG

 

A ESCOLA NOS ANOS 30 DO SÉCULO XX

José Augusto Simões

 

Por caminhos, mato e rochedo,

Com os livros dentro da sacola,

Que em dias de vendaval metia medo,

Sempre contentes para chegarem à escola.

 

Mais de uma légua era a jornada.

Mas as crianças gostavam de aprender:

Mesmo em dias de chuva e trovoada,

Corriam alegres sem nada temer.

 

Sempre prontos para sair da cama,

Mesmo a chover ninguém os detinha,

Assim levavam toda a semana,

Levando para o almoço: broa e sardinha.

 

Servia de escola uma casa antiga,

Sem eletricidade, água e sanitários,

As crianças chegavam sem qualquer fadiga…

Alegres faziam os seus trabalhos diários…

 

Mais de oitenta alunos, um só professor,

Quatro classes em cinquenta carteiras,

No final da primeira já era conhecedor:

Da matéria da quarta e das três primeiras.

 

Saída ao meio-dia de saco na mão

Na rua e no terreiro soltavam a asa…

Comem a broa sentados no chão

Os meninos da Vila almoçam em casa…

 

Depressa comem para pular!

A tudo o que vêm eles acham graça.

Inventam maneiras para brincar,

Todas as brincadeiras acabam na praça.

 

À uma hora já estão na escola,

Fazendo os trabalhos e tendo na ideia:

Que às três da tarde pegam na sacola,

Se juntam, e regressam à aldeia.

 

Tudo se passou nos anos trinta do século passado,

Eu era um desses alunos que ia para a escola,

De todo esse tempo estou bem lembrado:

Pudera eu hoje voltar a pegar na sacola…

 

Nunca mais me esqueço dessa escravidão

Descalço, molhado: fui mesmo um bravo

Comia a broa, e sardinha, sentado no chão

Hoje reconheço que era um escravo…

Lisboa, 5 de Novembro de 2011

(Memórias de José Augusto Simões quando frequentava a escola primária na Pampilhosa da Serra ou “POR CAMINHOS MATOS E ROCHEDOS” percurso diário entre a Póvoa e a Pampilhosa da Serra)

 

publicado por poetaromasi às 21:07
link do post | comentar | favorito (1)
|
Sexta-feira, 19 de Agosto de 2016

SOL ou SOL DIVINO

IMG_1269.JPG

 

O SOL

José Augusto Simões

 

Sol divino, Sol divino

Lindo é vê-lo nascer

É mais um dia na vida

Deus nos dá para viver

 

Sol divino, Sol divino

Que ilumina toda a terra

Desde o mais profundo vale

Até ao mais alto da serra

 

Sol divino, Sol divino

Que nos dá tanta alegria

Acaba a noite cerrada

E irrompe o claro dia

 

Sol divino, Sol divino

Nos dá tanta beleza

É a estrela mais bela

Que nos dá a natureza:

 

Quando está ao pé do rio

Em cima de uma cascata

O fundo parece de ouro

A água da cor da prata

 

Todo o ser vivo se mexe

Quando vê nascer o Sol

Os passarinhos cantam

Trina o lindo rouxinol

 

 Rouxinol que bem cantas

Onde aprendeste a cantar?

- No cimo daquele salgueiro

Com os ramos a abanar!

 

Todas as aves cantam!

Cada qual com sua voz!

Eu já acompanhei o rio…

Da nascente até à foz

 

Estou velho! Tu és menino

Nunca irás envelhecer

Sol divino, Sol divino

Sem ti não posso viver

 

Lisboa, 25/9/2007

 

DEDICADO AO POVO DE PRAÇAIS

PAMPILHOSA DA SERRA

 

Com este poema, do meu querido e falecido pai, pretendo agradecer a todos – e foram muitos – Que me enviaram mensagens de condolências. Assim, na impossibilidade de me dirigir a cada um de vós, e por acreditar que meu pai está na luz, nada melhor que reeditar o seu poema “Sol” Divino de José Augusto Simões.

 

E a mim, seu filho, cabe-me dedicar a meu pai o meu poema: POETA ESTAIS DE PARTIDA

 

POETA! ESTAIS DE PARTIDA

 

Retomo a minha viagem,

E peço aos céus a coragem,

Para enfrentar a descida…

Parte barco numa onda:

Que o meu corpo se esconda

Do aceno na despedida.

 

Vai o barco a soluçar,

E no cais fica a chorar

Uma lágrima despida…

Mar que bem cedo se agita,

Que chama o arrais que grita:

Poeta! Estais de partida…

 

Meu barco que não comando

Diz, aos céus, por seu desmando

Que a viagem acaba ali…

E a alma vendo-me triste,

Solta o corpo que resiste,

Olha o meu barco, e sorri…

 

Praia das Bicas, Meco, 07-10-2011 20:00:42

 

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

 

 

 

publicado por poetaromasi às 20:59
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Maio de 2015

Perdi-me na floresta

IM030508.JPG

 

 

 

PERDI-ME NA FLORESTA

José Augusto Simões

 

Entrei um dia numa floresta

Para ver as árvores floridas

Acabei por fazer a sesta

Depois de tantas fadigas.

 

Assim de tanto eu andar

No meio daquele arvoredo

Deitei-me a descansar

E comecei a sentir medo.

 

Já não sabia onde estava.

Não reparei no caminho.

Queria ver o que gostava,

Mas estava ali sozinho.

 

A noite estava a chegar,

Não sabia por onde sair,

Estava quase a chorar,

Não sabia onde dormir.

 

Depois de tanto pensar

Uma voz perto me disse

- Eu te irei ajudar

Não caías noutra tolice.

 

Apareceu uma velhinha

Que a sorrir mais falou:

A floresta é toda minha,

Mas, não te digo quem sou.

 

Foi num dia de primavera,

Recordo-me de a ver sorrir.

Nunca soube quem ela era,

E eu não estava a dormir…

 

Lisboa, 6 de agosto de 2013

 

publicado por poetaromasi às 21:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Maio de 2015

SAUDADE

 

03050057.JPG

 (Foto de  Padre Pedro)

 

SAUDADE

José Augusto Simões

 

Falei à serra da Amarela

Que respondeu a chorar

Uma menina tão bela

Já ninguém a quer amar

 

Foste por Deus aí colocada

Ninguém te irá esquecer

Por todos serás amada

OH! Serra não vais morrer.

 

Conhecem o teu valor

Todos te veem com agrado

Agradecem e dão louvor

O pasto que deste ao gado

 

Tanta gente por ti passou

Por essa serra pitoresca

Por momentos se sentou

Tu lhe deste água fresca

 

Eu que nunca fui pastor

Por ti fiquei enfeitiçado

Ia ver-te por amor

E fiquei teu namorado

 

Tu me conheces de criança

Ia ver-te com alegria

Fiz contigo uma aliança

Para ver voar a cotovia

 

Já não vejo os pastorinhos

Que tu vias com agrado

Só existem os passarinhos

Na serra acabou o gado

 

Já não te posso visitar

Como em criança o fazia

Para ver as lebres saltar

E ouvir o piar da cotovia

 

Estou velho, vivo na cidade,

Escrevo-te estas linhas

São versos de saudade

Chorando saudades minhas.

Lisboa, 3 de Setembro de 2011

 

publicado por poetaromasi às 22:17
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Março de 2015

Meu amor deu-me uma rosa

flormeco 049.JPG

 

MEU AMOR DEU-ME UMA ROSA

José Augusto Simões

 

Meu amor deu-me uma rosa

Do jardim da sua mãe:

Uma rosa tão mimosa

Nem sei o valor que tem.

 

Eu tinha a rosa na mão

Não sabia onde a guardar

Guardo-a no teu coração

Enquanto a rosa cheirar.

 

Se a tiro da minha mão

Outras a podem cheirar

- Eu só tenho um coração

Guardado para te dar.

 

Se me deres o teu coração

O teu ao meu vou juntar:

Assim, num só coração

No meu jardim vou guardar.

 

O jardim da minha mãe

Não tem rosas ao luar

Só tinha a que te dei, meu bem

Já não tem outra para dar.

 

Lisboa 4 de agosto de 2013

publicado por poetaromasi às 15:49
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Março de 2015

O OUTEIRO

IMG_2549_1.JPG

 

O OUTEIRO

José Augusto Simões

 

Pensei em subir ao outeiro

Para ver as mais lindas flores:

Fiquei cercado pelo nevoeiro

E por flores secas sem cores.

 

Era muito cedo e esperei,

Pela luz do meu desencontro:

Vi nascer o astro rei

Que veio ao meu encontro.

 

Quando o sol brilhou

Ficou tudo num manto:

Tudo se transformou

Era assim o meu encanto.

 

Ficou linda a paisagem

De matos todos garridos

Estavam bem disfarçados

Todos os matos floridos.

 

Quando olhei para o alto,

Avistei uma planta airosa.

Subi ao cume num salto

E encontrei uma linda rosa.

 

A rosa era muito nova,

Nem sequer lhe pus a mão,

Mas deixei-lhe uma trova,

Que se espalhou pelo chão.

 

E um canto do céu desceu,

Logo quis saber quem era,

Uma voz me respondeu:

Que era a linda primavera.

 

Quando ouvi tal alegoria

Todo o meu corpo estremeceu

Dei um grito de alegria

“A Primavera não morreu”

Lisboa 2010

 

publicado por poetaromasi às 15:40
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015

Fui ao rio apanhar trutas

02290019.JPG

FUI AO RIO PARA VER TRUTAS

José Augusto Simões

 

Fui ao rio para ver trutas

Num dia de muito frio

Mas só encontrei grutas

Nem sequer havia rio

 

Apareceu uma menina

A pouca distância se sentou

Onde estás era uma mina

Que a natureza aí deixou.

 

Vi que vinhas enganado

De longe te acompanhei.

Ficaste admirado

Dos passos que por ti dei.

 

A truta que queres ver

Aqui a tens a teu lado

Trago uma carta para ler

Para recordar o passado…

 

É um passado de amor

Escrita que a carta contém.

Eu não sinto qualquer dor

Fizemos tudo por bem.

 

Segredos que a vida tem

Só o sabemos os dois

Nem o sabe minha mãe

Nem o saberá depois

 

Segredos que a vida tem

É uma coisa sagrada

Só tu o sabes meu bem

Ninguém pode saber nada.

 

Lisboa, 19 de Agosto de 2013

 

publicado por poetaromasi às 12:27
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2014

ÁGUA DA FONTE

IM024880.JPG

 

 

 

 

ÁGUA DA FONTE

José Augusto Simões

 

Fui buscar água da fonte,

P´ra minha casa levei,

Passei uma velha ponte,

Outro caminho não sei.

 

Deitei-o na cantareira,

No dia seguinte voltei,

Quando cheguei à lareira,

O Cântaro não encontrei.

 

Quem a minha água tirou,

Sabia que ela era minha:

Água e o cântaro levou

Da minha casa velhinha.

 

O cântaro da cantareira,

Eu sei bem quem o levou,

Fez isso por brincadeira,

Mas bem sabe que pecou.

 

Deixou um papel escrito:

- Muito te quero dizer

Sabes bem o que tens dito…

Foste à fonte sem me ver.

Lisboa, 18 de Agosto de 2013

 

publicado por poetaromasi às 19:42
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 31 de Outubro de 2013

EU VIA O MILHO A CRESCER

(Foto de Padre Pedro)

EU VIA O MILHO A CRESCER

José Augusto Simões

 

Quando eu era rapazinho

Via o milho embandeirado

No passal do meu vizinho

Estava o milho bem regado

 

Para ver as espigas crescer

Tinha que ser bem pensado

Pois tudo o que queria ver

Tinha que ser autorizado

 

Eu pedi ao meu vizinho

Homem de meia-idade:

- Podes ir mesmo sozinho

Dou-te toda a liberdade

 

- Para veres as espigas crescer

Só de noite pelo luar

Muitas coisas, tu vais ver:

Terás muito para contar

 

Para vos contar o que via

Cheguei ao milho bem cedo

Vi assim o que queria

Confesso que tive medo

Antes de amanhecer

Ouvi a rã coaxar

Passou a rola a gemer

E o grilo passa a cantar

 

Quando o sol estava a raiar

Chega o coelho sem guinchar

A lebre sem berrar

A perdiz a cacarejar

O pombo a arrulhar

O pardal a chilrear

O melro a assobiar

O rouxinol a trinar

E a cotovia a cantar

 

Depois de tanta alegria

Chegou a águia a gritar

Leva o coelho em agonia

Tudo a fugir e a chorar

 

De triste também chorei

Eu já não via ninguém

Foi assim que acordei

Nos braços de minha mãe

 

Lisboa, 28 de Setembro de 2012

(Poema registado no IGAC, direitos de autor reservados)

publicado por poetaromasi às 18:35
link do post | comentar | favorito
|

Todos os poemas escritos e publicados neste blog

da autoria de Rogério Martins Simões,

ou sob pseudónimo, ROMASI,

estão devidamente protegidos pelos direitos de autor.

(Registados no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)






Memórias e poesia de um Beirão

nascido em Maio de 1922.

.Poesia e muita sabedoria de um poeta serrano com 91 anos



Obrigado pela visita ao blog do meu pai,

homem notável, impedido de estudar

por ter ficado órfão de pai e mãe aos 14 anos.

A sua memória é notável

sabe de tudo

é uma casa cheia!

Viva a poesia.

e se a vida não nos conhecer

porque nos esqueceu,

lembremos à vida que existimos e vivemos.

Obriga meu querido pai

por me ter ensinado

a escrever poesia

Seu filho, vosso filho

Rogério Martins Simões



.posts recentes

. SIGA A FESTA (PAMPILHOSA ...

. A ESCOLA NOS ANOS 30 DO S...

. SOL ou SOL DIVINO

. Perdi-me na floresta

. SAUDADE

. Meu amor deu-me uma rosa

. O OUTEIRO

. Fui ao rio apanhar trutas

. ÁGUA DA FONTE

. EU VIA O MILHO A CRESCER

. JOAQUIM DE ALMEIDA, natur...

. Recordo mulher aquele dia

. Por caminhos matos e roch...

. FUI VER O MEU LINDO AMOR

. Antunes a minha família d...

. RAMOS - a minha família

. SIMÕES da Pampilhosa da S...

. RAMOS a minha família

. ANTUNES

. Eduardo Ramos de Almeida,...

. Sonhos loucos...

. A Moleirinha

. A Montanha recitada por J...

. Maria de Lurdes Simões e ...

. Ti João Barbeiro

. Eternas lembranças

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. Póvoa e sua gente 1

. Jesus

. Saudade

. José Maria Antunes

. José Antunes

. O prato esfriava

. O SOL

. BEIRA SERRA

. EU NASCI NUMA CASA POBRE

. A MONTANHA

. Estive um dia no céu

. PÓVOA - Visitei a minha ...

. João Nunes Almeida (TI Jo...

.arquivos

.pesquisar