DEDICATÓRIA

 

Um Povo só é grande quando tem história.

A Póvoa tem uma bonita história:

a riqueza e a pureza do seu povo.

Este foi o blog que construí para divulgar a tenacidade,

a luta, a inteligência e a honestidade do meu pai.

Graças a Deus ainda está lucidamente activo e vivo!

A sua memória é fantástica.

Amo muito o meu pai e se poeta sou a ele o devo.

José Augusto Simões Faleceu com 94 anos,

nasceu em 20 de Maio de 1922 e faleceu a 17 de Agosto de 2016

Esta é a homenagem e o agradecimento

 que presto a tão grande homem.

Seu filho

Rogério Martins Simões

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008

BEIRA SERRA

 

 20 de Maio de 2008

 

Pai parabéns hoje é o dia do seu aniversário!

Como vê fiquei acordado até tarde para passar a limpo e publicar o seu último poema neste dia em que faz 86 anos de idade.

 

Todo feliz, aí, na sua Póvoa, na sua Pampilhosa da Serra! Com que então veados e gazelas?

 

Feliz aniversário meu querido pai e que a vossa presença, meus pais, continue a encantar as nossas vidas.

O seu filho mais velho

Rogério Martins Simões

 

 

 

 

 

 

BEIRA SERRA

 

José Augusto Simões

 

Conheço a Beira Serra

É bonita não é feia

Montanha, montes e vales

Muita terra e pouca areia.

 

Os matos dos seus terrenos

Cheios de encanto e beleza

Todos ali foram criados

Pelo poder da natureza

 

Falando da sua existência

Não é uma palavra em vã

Toda a Beira Serra começa

Na linda vila da Lousã

 

Chegando ao Vilarinho

Começa a subir e não erra

Três Concelhos se juntam

Góis, Arganil e Pampilhosa da Serra.

 

Três serras bem conhecidas

Fazem a Beira mais bela

Serra da Lousã e do Açor

E a linda serra da Amarela

 

Havia tantas aldeias

Dispersas por todas as serras

Todas tinham muita gente

Cultivando as suas terras

 

Era tudo gente pobre

Todos mudaram de ideias

Pensaram mudar de vida

Abandonaram as aldeias

 

Era gente de trabalho

Conseguiram uma vida boa

Emigraram para o estrangeiro

A maior parte para Lisboa

 

As aldeias abandonadas

Ruas estreitas e vielas

São agora habitadas

Por veados e gazelas

 

Pudera voltar a subir

Do Vilarinho ao Trevim

Vendo esses frescos matos

E a flor do alecrim

 

Pudesse descer outros caminhos

Com alegria e saudade

Iria fazer a última visita

À Senhora da Piedade.

 

Maio de 2008

 

 

publicado por poetaromasi às 23:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

SIMÕES DESCENDENTES DA PAMPILHOSA DA SERRA desde o século 19

 

Meu pai

António Antunes Simões

 

(Nasceu na Pampilhosa da Serra - Aldeia Velha)

 

 

 

Sou José Augusto Simões e passo a esclarecer e preciso de ajuda para concluir os nomes dos que aqui faltam

 

A Foto é do meu pai António Antunes Simões

 

Para situar no tempo, o meu filho Rogério Martins Simões passou a cor castanha os primos direitos do meu pai.

 

Os irmãos do meu avô Francisco Simões estão a verde. Se alguém souber os nomes dos pais dos meus avós por favor diga. Uma coisa é certa – eram descendentes dos Henriques e dos Simões.

Só lembrar que se trata da geração nascida nos finais do século 19 princípio do século XX e eu que nasci em 1922 não estou neste apontamento, pois, pertenço à geração seguinte.

Meu pai, o da foto, tinha perto de 70 primos direitos.

 

1.     José Simões, meu tio-avô, (filho mais velho), que casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci;

 

 

Manuel Simões, meu tio-avô, que casou nas Moradias mas viveu sempre em Relvas Velhas teve 10 filhos:

1.     Abílio Simões, que casou nos Covões, com Maria Garcia. São os pais do meu primo, José Maria Simões, padrinho do meu filho, mais novo, José Manuel Martins Simões;

2.     António Simões que casou em Carvalho;

3.     José Maria Simões, que casou no Cadavoso;

4.     Alfredo Simões, que casou na Póvoa com Elvira Antão;

5.     Antonino Simões, que casou no Sobral;

6.     Urbano Simões, que casou em Carvalho;

7.     Alberto Simões, que casou em Moninho;

8.     Augusto Simões, que casou na Malhada do Colmeal;

9.     Jaime Simões, que casou na Lousã

10. Conceição Simões, que casou em Carvalho;

(nota: conheci todos, assim como todos os seus filhos).

 

Albertina Simões, teve 10 filhos

1.     Virgílio Augusto Simões;

2.     António Simões;

3.     Henrique Simões;

4.     Luís Simões;

5.     Ângelo Simões;

6.     Aurora Simões;

7.     Belmira Simões;

8.     Albertina Simões;

9.     Tonita Simões.

10.  Abílio Augusto Simões

 

 

César Simões, meu tio-avô. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos;

 

Ana Simões, minha tia-avó, que morreu solteira;

 

 

Hermínia Simões, minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos

 

 

 

Francisco Simões, o meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes, a minha avó paterna os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai como mais 5 tios nasceram na Pampilhosa da Serra:

1.     António Antunes Simões (meu pai);

2.     Aires Augusto Simões;

3.     Albano Antunes Simões;

4.     Maria da Piedade Simões

5.     Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);

6.     Maria da Solidade Simões;

7.     Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;

 

 

(qualquer dúvida consultar a minha família SIMÕES.

 

 

Um abraço,

 

José Augusto Simões nascido em 1922 no dia 20 de Maio.


 

 

 

Família Simões

(Rogério Martins Simões)

 

Como já se devem ter apercebido, tenho uma enorme admiração por todos os ramos da minha família paterna. Sejam dos Henriques, dos Simões, dos Ramos ou dos Antunes.

Graças ao meu pai, José Augusto Simões, que nasceu no dia 20 de Maio de 1922, foi possível reconstituir parte dos nossos antepassados até à sua geração.

Nutro um enorme carinho e admiração pela família Simões, sem desprimor para as restantes. Dado que ela é mais numerosa gostaria de lançar um repto – VAMOS PREENCHER OS ESPAÇOS QUE ESTÃO VAZIOS DA FAMÍLIA SIMÕES ATÉ À ACTUALIDADE. Seria bom aproveitar a capacidade de memória do meu pai para ajudar nas datas e no resto.

Aceita-se a colaboração de todos e sugestões, nomeadamente um enorme encontro dos Simões descendentes da Pampilhosa - na PAMPILHOSA DA SERRA.

 

Este blog está aberto às vossas ideias.

Aproveito para anunciar que meu pai, José Augusto Simões, homem bom, poeta e detentor de uma memória extraordinária, estará na Pampilhosa da Serra no seu aniversário, no dia em que faz 86 anos de idade, o dia 20 de Maio de 2008.

 

Ontem, meu pai dizia-me: - Rogério, pensava não mais voltar à Pampilhosa e à Póvoa, esta irá ser a última vez que lá estarei.

Meu pai vai estar, se Deus o permitir, no Tribunal da Pampilhosa por razão de partilhas. Quem quiser saber o que ele sabe das vossas famílias é só perguntarem. Digam as vossas origens que ele vos dirá algo das vossas famílias. Não acreditam? Experimentem!

SAUDADES
ROGÉRIO MARTINS SIMÔES

 

NOTA FINAL

 

Meu pai entregou-me hoje um cartão em bom estado de conservação que tem inscrito “ JUVENTUDES MONARCHICAS CONSERVADORAS – NÚCLEO REGIONAL DE LISBOA. Estranhamente fiquei a saber que o meu avô, António Antunes Simões, era o sócio 12711 daquela organização. Desconheço a razão que o levou a inscrever-se. Talvez por ser um exímio tocador de guitarra portuguesa a tal ponto que, segundo meu pai, terá sido um dos dois mestres do famoso Armandinho.

Vou estudar este assunto e logo que possa colocarei post no meu blog.

Cumprimentos para todos,

Rogério Martins Simões



publicado por poetaromasi às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Todos os poemas escritos e publicados neste blog

da autoria de Rogério Martins Simões,

ou sob pseudónimo, ROMASI,

estão devidamente protegidos pelos direitos de autor.

(Registados no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)






Memórias e poesia de um Beirão

nascido em Maio de 1922.

.Poesia e muita sabedoria de um poeta serrano com 91 anos



Obrigado pela visita ao blog do meu pai,

homem notável, impedido de estudar

por ter ficado órfão de pai e mãe aos 14 anos.

A sua memória é notável

sabe de tudo

é uma casa cheia!

Viva a poesia.

e se a vida não nos conhecer

porque nos esqueceu,

lembremos à vida que existimos e vivemos.

Obriga meu querido pai

por me ter ensinado

a escrever poesia

Seu filho, vosso filho

Rogério Martins Simões



.posts recentes

. BEIRA SERRA

. SIMÕES DESCENDENTES DA PA...

.arquivos

.pesquisar