DEDICATÓRIA

 

Um Povo só é grande quando tem história.

A Póvoa tem uma bonita história:

a riqueza e a pureza do seu povo.

Este foi o blog que construí para divulgar a tenacidade,

a luta, a inteligência e a honestidade do meu pai.

Graças a Deus ainda está lucidamente activo e vivo!

A sua memória é fantástica.

Amo muito o meu pai e se poeta sou a ele o devo.

José Augusto Simões Faleceu com 94 anos,

nasceu em 20 de Maio de 1922 e faleceu a 17 de Agosto de 2016

Esta é a homenagem e o agradecimento

 que presto a tão grande homem.

Seu filho

Rogério Martins Simões

Sexta-feira, 5 de Março de 2004

O magusto

(Foto padre Pedro)

 

O magusto

 

Póvoa da Pampilhosa da Serra, era uma pequena aldeia implantada na serra que no século XIX era terra de muitos castanheiros: assim me contavam os meus avós paternos, minha mãe e outras pessoas mais velhas dos tempos dos meus avós.

Nasci em 1922. Nos meus tempos de criança ainda existiam, na nossa aldeia, muitas centenas de castanheiros, que cresciam em qualquer calçada, barroca ou quebrada.

Os locais onde mais castanheiros se encontravam, eram no Vale Afonso, na Encosta do Recanto, na Portela de Moninho, na Corga do Lobo, na Verejeira, no Salgueirinho de Baixo, no Salgueirinho de Cima, no Cimo do Barro, no Alqueive da Feiteira, no Vale de Medeiros e nas pequenas encostas até ao Vale da Candeia.

Todos os habitantes da aldeia tinham os seus castanheiros, uns mais, outros menos.

As pessoas que mais castanheiros tinham, eram a Senhora Antónia Real, mãe do Senhor António Nunes e madrinha de meu pai, que talvez colhessem mais de 30% de toda a castanha da Póvoa. No entanto outras pessoas tinham bastante castanha: Os Mendes, os Beatos, a Senhora Litugarda, o meu tio Adelino Antunes e os meus primos Gonçalves.

Dada a abundância, eram secas no caniço e daí saía a castanha pilada.

Na minha geração já não havia 50% da castanha que teria existido no século XIX.

Em certos locais, com o aparecimento da doença nos castanheiros, só existiam grandes troncos que mostravam terem sido árvores de grande porte. Já tinham morrido como morre qualquer ser humano, visto nada ser eterno.

Quanto aos magustos, não era no nosso tempo uma coisa tradicional.

As castanhas por vezes ajudavam à alimentação das famílias. Normalmente eram comidas em cima das refeições, cozidas num púcaro grande de barro, ou assadas no borralho quente da lareira, visto que era à lareira que se fazia todo o tipo de comida.

Voltando aos magustos, era uma prática mais utilizada pelas crianças da minha geração, não fazia parte da tradição de convívio, como agora se faz, quando já poucas castanhas lá são criadas.

José Augusto Simões

publicado por poetaromasi às 20:47
link do post | comentar | favorito
|

Todos os poemas escritos e publicados neste blog

da autoria de Rogério Martins Simões,

ou sob pseudónimo, ROMASI,

estão devidamente protegidos pelos direitos de autor.

(Registados no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)






Memórias e poesia de um Beirão

nascido em Maio de 1922.

.Poesia e muita sabedoria de um poeta serrano com 91 anos



Obrigado pela visita ao blog do meu pai,

homem notável, impedido de estudar

por ter ficado órfão de pai e mãe aos 14 anos.

A sua memória é notável

sabe de tudo

é uma casa cheia!

Viva a poesia.

e se a vida não nos conhecer

porque nos esqueceu,

lembremos à vida que existimos e vivemos.

Obriga meu querido pai

por me ter ensinado

a escrever poesia

Seu filho, vosso filho

Rogério Martins Simões



.posts recentes

. SIGA A FESTA (PAMPILHOSA ...

. A ESCOLA NOS ANOS 30 DO S...

. POESIA NO PRATO

. SOL ou SOL DIVINO

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. Ramos a minha família da ...

. Perdi-me na floresta

. SAUDADE

. Meu amor deu-me uma rosa

. O OUTEIRO

. Beira Serra

. Fui ao rio apanhar trutas

. ÁGUA DA FONTE

. CONVITE

. Menina da rosa branca

. Papoilas da alma lido por...

. EU VIA O MILHO A CRESCER

. JOAQUIM DE ALMEIDA, natur...

. PARKINSON

. O MONTE

. Recordo mulher aquele dia

. Por caminhos matos e roch...

. FUI VER O MEU LINDO AMOR

. Antunes a minha família d...

. RAMOS - a minha família

. SIMÕES DA PAMPILHOSA DA S...

. SIMÕES da Pampilhosa da S...

. RAMOS a minha família

. ANTUNES

. Eduardo Ramos de Almeida,...

. Sonhos loucos...

. A Moleirinha

. A Montanha recitada por J...

. Maria de Lurdes Simões e ...

. Ti João Barbeiro

. Eternas lembranças

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. José Augusto Simões plagi...

. Póvoa e sua gente 1

. Jesus

.arquivos

.pesquisar