DEDICATÓRIA

 

Um Povo só é grande quando tem história.

A Póvoa tem uma bonita história:

a riqueza e a pureza do seu povo.

Este foi o blog que construí para divulgar a tenacidade,

a luta, a inteligência e a honestidade do meu pai.

Graças a Deus ainda está lucidamente activo e vivo!

A sua memória é fantástica.

Amo muito o meu pai e se poeta sou a ele o devo.

José Augusto Simões Faleceu com 94 anos,

nasceu em 20 de Maio de 1922 e faleceu a 17 de Agosto de 2016

Esta é a homenagem e o agradecimento

 que presto a tão grande homem.

Seu filho

Rogério Martins Simões

Quarta-feira, 29 de Julho de 2009

Eternas lembranças

 

 

 

 

 

 
 
ETERNAS LEMBRANÇAS
José Augusto Simões
 
 
Nasci na aldeia da Póvoa
Cheia de encanto e beleza
Todos nos sentíamos bem
Apesar de certa pobreza.
 
Era um povo muito amigo
Cada qual tinha seu jeito
Mas não existe povo algum
Que em tudo seja perfeito.
 
Desses tempos bem passados
Tenho gratas recordações
Daquelas lindas cantigas
Que cantavam aos serões.
 
Das noites bem passadas
Ao debulhar as espigas
A cantar à desgarrada
Rapazes e raparigas.
 
 
Tudo isto foi bem pensado
Há luz da velha candeia…
Como escrevi em “Ecos da Póvoa”
“As mulheres da minha aldeia”
 
São lembranças do passado
Voos de passarinho…
Confesso, nunca esquecerei
A Emília Casalinho.
 
A Emília vinha à janela
- Zézito vem à tua porta!
Atira-me maças e peras
Que trazia da sua horta.
 
-Zézito vem a minha casa
Que te quero dar um queijo:
-Minhas pernas tinham asas…
Era assim o seu desejo.
 
Para mim mulher mais linda,
Para mim a mulher mais bela,
Ela e sua irmã Carmelinda
Debruçadas à janela…
 
 
 
Assim, muito criancinha,
A memória não tem agreiro,
Nunca posso esquecer
A Piedade do João Barbeiro.
 
Sou filho da “Ti Mariquitas”
Essa mulher que só fez bem
Eu nunca a posso esquecer:
Era a minha querida mãe.
 
Às vezes começo a pensar
Mas, não é pensar à toa
Talvez não merecesse ter
Assim uma mãe tão boa.
 
Quando fazíamos “asneira”
Não nos chamava de ateus…
Minha mãe só me dizia:
- Oh filho valha-te Deus.
 
Ao terminar estes versos
Termino com grande dor
Ainda estou respirando
O bafo do seu lindo amor.
 
Lisboa, 18 de Julho de 2009

 

publicado por poetaromasi às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

Todos os poemas escritos e publicados neste blog

da autoria de Rogério Martins Simões,

ou sob pseudónimo, ROMASI,

estão devidamente protegidos pelos direitos de autor.

(Registados no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)






Memórias e poesia de um Beirão

nascido em Maio de 1922.

.Poesia e muita sabedoria de um poeta serrano com 91 anos



Obrigado pela visita ao blog do meu pai,

homem notável, impedido de estudar

por ter ficado órfão de pai e mãe aos 14 anos.

A sua memória é notável

sabe de tudo

é uma casa cheia!

Viva a poesia.

e se a vida não nos conhecer

porque nos esqueceu,

lembremos à vida que existimos e vivemos.

Obriga meu querido pai

por me ter ensinado

a escrever poesia

Seu filho, vosso filho

Rogério Martins Simões



.posts recentes

. Mãe

. SIGA A FESTA (PAMPILHOSA ...

. A ESCOLA NOS ANOS 30 DO S...

. POESIA NO PRATO

. SOL ou SOL DIVINO

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. Ramos a minha família da ...

. Perdi-me na floresta

. SAUDADE

. Meu amor deu-me uma rosa

. O OUTEIRO

. Beira Serra

. Fui ao rio apanhar trutas

. ÁGUA DA FONTE

. CONVITE

. Menina da rosa branca

. Papoilas da alma lido por...

. EU VIA O MILHO A CRESCER

. JOAQUIM DE ALMEIDA, natur...

. PARKINSON

. O MONTE

. Recordo mulher aquele dia

. Por caminhos matos e roch...

. FUI VER O MEU LINDO AMOR

. Antunes a minha família d...

. RAMOS - a minha família

. SIMÕES DA PAMPILHOSA DA S...

. SIMÕES da Pampilhosa da S...

. RAMOS a minha família

. ANTUNES

. Eduardo Ramos de Almeida,...

. Sonhos loucos...

. A Moleirinha

. A Montanha recitada por J...

. Maria de Lurdes Simões e ...

. Ti João Barbeiro

. Eternas lembranças

. Minha mãe mandou-me à Vil...

. José Augusto Simões plagi...

. Póvoa e sua gente 1

.arquivos

.pesquisar